5 sites pra vender as peças que você não usa mais

Comenta aqui!
Sério, eu queria começar dizendo que nenhum blog desse mundo inteiro tem leitoras (e leitores) mais legais do que o UASZ.  Esse lugarzinho digital me enche de orgulho simplesmente por atrair gente como vocês: gente esperta, lúcida, aberta a conversar e discutir coisas importantes.

Obrigada por cada compartilhamento e por cada comentário. Por cada amiga tagueada que precisava ler tudo o que tava escrito ali no post. E obrigada às amigas que leram e receberam e assimilaram ou adiscordaram da mensagem de forma tão madura.

Vocês são demais.

Dito isso, recebi muitos emails perguntando sobre os melhores lugares pra vender as roupinhas que a gente não usa mais (aquelas que eu mencionei ontem que tavam perdidas lá no fundo da gaveta e que, pelo visto, muita gente encontrou depois de ler o post). Por isso, aqui vai uma listinha rápida de sites bacanas pra você vender as suas relíquias, fazer a economia girar e ainda ganhar um din din. Por sinal, também são ótimos lugares pra encontrar peças de segunda-mão em ótimo estado e com preços mais acessíveis (a ainda ajudar a pessoa que está vendendo).

1. ENJOEI


Eu nunca escondi a minha descarada admiração pelo Enjoei (não à toa, fui uma das primeiras blogueiras a fazer uma lojinha por lá). E basta dar uma mini pesquisada no universo de sites de compra e venda pra ver que o Enju tá a anos luz de distância do resto. Não tô falando isso só por causa do visual lindo do site, nem das newsletters hilárias que eu tenho o maior prazer em abrir diariamente (coisa rara nos dias de hoje, né?). Os caras ainda por cima tem uma curadoria sensacional (ou seja, você não fica passando páginas e páginas de coisa velha até chegar em alguma que preste). Por fim, a experiência de compra é fácil, rápida e super prática.

VANTAGENS PRA QUEM VENDE:

FACILIDADE: o processo de criar a sua lojinha é completamente virtual e super fácil.

PRATICIDADE: se você preferir dá pra fazer tudo pelo celular. Basta baixar o aplicativo do Enjoei. Dá inclusive pra tirar fotos dos seus produtos com o próprio celular e subir na sua lojinha direto pelo aplicativo.

PREÇO: a experiência de compra no site é tão gostosa e as peças são tão bem escolhidas que muita gente acaba não se importando de pagar um pouco mais pelas peças do que pagaria em um brechó normal. Lógico, não é pra querer lucrar a qualquer custo, a ideia aqui não é essa, mas precifique a sua peça de acordo com o que você acha que ela vale, nem mais, nem menos. Lembre-se de que ela é usada, portanto seu valor provavelmente deve ser abaixo do que o valor que você pagou por ela (a não ser que seja uma relíquia, raridade ou algo do gênero).

SEGUIDORES E LIKES: pessoas que curtem o estilo das suas peças podem seguir você e receber notificações quando coisas novas entrarem na sua loja. Além disso, as pessoas podem dar um Yeah Yeah nas peças que elas mais gostarem e isso acaba dando mais destaque ao item.

DESTAQUE: se a sua foto for bacana e o produto for legal, há sempre a possibilidade dele entrar numa das newsletters (o que pode representar mais seguidores para a sua lojinha e, consequentemente, mais vendas pra você).


2. EBAY



Entre os grandes, o eBay é definitivamente o meu preferido. O site é fácil de navegar, as informações são claras e algumas abas ajudam muito na hora das pesquisas. Eu particularmente adoro a "Designer Collaborations", em que eles separam peças de diversas parcerias entre designers e  redes de fast fashion (incluindo a coleção da Isabel Marant para H&M que é super linda).

VANTAGENS PARA QUEM VENDE:

FACILIDADE: assim como no Enju, se cadastrar e começar a vender é super fácil.

PRATICIDADE: o eBay também tem aplicativo e você pode cadastrar todos os seus ítens através dele.

LEILÃO: se você não está muito certo do valor que pode conseguir pela sua peça, basta cadastrá-la no modo leilão. As pessoas vão lá e dão suas ofertas.

SEGUIDORES: sim! Também dá pra seguir as lojas que você mais curte, porém, a dinâmica não é tão bacana quanto a do Enjoei.

GANHAR O MUNDO: o site é global, ou seja, você pode vender suas coisinhas pra gente do mundo todo.


3. VIDE DRESSING


Ao contrário dos anteriores, o Vide Dressing é um site de compra e venda focado exclusivamente em moda. E isso faz muita diferença, especialmente no que diz respeito à curadoria e produção de conteúdo. Os caras realmente entendem de moda e sabem o que tão fazendo.

Pra começar, toda semana a equipe de estilo do site faz uma seleção de itens à venda que estão em sintonia com as principais tendências, justamente pra provar que comprar coisa usada não significa estar fora de moda.

Outra coisa muito bacana é que eles não vendem nada pirata. Todas as peças de marca passam por um processo de autenticação gratuito feito por uma equipe de especialistas. Isso é um super diferencial com relação a sites como eBay e Amazon em que você nunca sabe se está comprando gato por lebre.

VANTAGENS PARA QUEM VENDE:

FACILIDADE: super fácil de se cadastrar e começar a vender

PRATICIDADE: também tem aplicativo e dá pra fazer tudinho por ele.

VENDA PREMIUM: um dos grandes atrativos do site é a seleção de marcas, especialmente as mais premium (a mais ralézinha que você vai encontrar por lá é a Zara). Isso quer dizer que é um lugar que atrai gente que está buscando uma peça mais bacanuda e está disposta a pagar por ela (ao contrário dos outros sites de compra e venda onde a maior parte das pessoas está procurando ítens mais baratos). Portanto, se você tem uma peça mais cara que está querendo se desfazer, provavelmente vai ser mais fácil encontrar um comprador por aqui do que nos e-Bay's da vida.

GLOBAL: de novo, a vantagem aqui é vender pra gente do mundo todo.


4. PEGUEI BODE


O Peguei Bode é um brechó virtual brasileiro com foco em compra e venda de peças de luxo. Eles se dizem o maior site do gênero no Brasil, mas a coisa toda ainda tem cara de uma empreitada pequena, quase amadora. Segundo a própria descrição, é um ambiente onde "amigas compram de amigas".

Dito isso, o Peguei Bode oferece uma boa variedade de peças, especialmente bolsas, de marcas como Chanel, Prada, Dior e por aí vai. Claro que nada é barato. É possível encontrar peças de mais de 10 mil reais à venda, mas o site oferece garantia de "um produto original e em bom estado).

VANTAGENS PRA QUEM VENDE:

VENDA PREMIUM: esse talvez seja um dos poucos lugares onde você pode vender aquela sua bolsa caríssima.


5. BRESHOP


O Breshop é bem menorzinho e mais simples do que boa parte dos que a gente mencionou aqui em cima. Dito isso, mesmo assim ele tem boa variedade e é fácil de navegar. Pra quem quer comprar, a vantagem é que a tendência é encontrar coisas com preços mais atrativos do que nos demais sites. Além disso, o Breshop ainda tem uma aba fixa de liquidação.

VANTAGENS PRA QUEM VENDE:

VENDER EM VÁRIAS FRENTES: pra quem tá vendendo, quanto mais possibilidade de encontrar alguém que queira o que você quer, melhor. O Breshop não tem como competir com os grandões, mas ele acaba sendo mais uma opção pra você fazer as suas coisinhas encontrarem compradores. Como já dizia o velho ditado: não bote todos os ovinhos numa única cesta.

Pronto! Agora é catar a velharia das gavetas e fazer um dindin!

Se vocês tiverem mais dicas de sites que gostam e usam, deixa aqui nos comentários!





Quatro passos essenciais para a consciência fashion

A cada dia que passa tenho recebido mais e mais emails (e comentários no Instagram, no FB e no Snapchat) de gente de todo lado. Todas com um tema em comum: a vontade de consumir menos e consumir melhor.

Uma vontade que se manifesta de várias formas. De dúvidas sobre armário-cápsula, a pedidos de listas de melhores brechós da cidade. De perguntas sobre ítens essenciais de estilo, a súplicas de ajuda para conseguir ficar algum tempo (que varia de mensagem pra mensagem, 3 meses, 6 meses, 1 ano, 1 mês) sem comprar.

A cada email, eu sorrio. Confesso, o lado mais vaidoso de mim escapole entre os lábios e sorri. E lá dentro eu penso: eu faço parte desse movimento.

Fiquei pensando nisso ontem (já combinamos aqui que domingo é dia de pensar, né?) e quis fazer mais posts sobre o assunto. Quero falar mais sobre essa coisa toda de ter mais consciência e de comprar menos e comprar melhor. Sim, eu acho que a gente já faz isso aqui no UASZ quando mostra como é legal repetir roupa ou como uma roupa pode ter um monte de possibilidades, ou ainda como dá pra vender aquilo que você não usa mais e comprar uma coisa velha de alguém que vai ser nova pra você.

Mas eu quero falar MAIS. Quero falar SEMPRE. Quero lembrar todo mundo sempre que ser escravo da moda não é um troço legal. Comprar uma bota (pode ser linda, deusa, top, mára, vida - ou qualquer outro adjetivo usado na blogosfera ultimamente - o quanto for) e não conseguir pagar a fatura do cartão NÃO É LEGAL. Gastar o din din do aluguel/da faculdade/do presente de aniversário de 60 anos da mãe num casaco novo NÃO É LEGAL, não é motivo pra rir e não é motivo pra tirar onda por aí. Pode anotar porque eu tô falando com conhecimento de causa.


(imagem de Elnur Babayev)

Tudo isso pra dizer que hoje eu vou começar atendendo alguns dos pedidos que tenho recebido e que tanto me fazem sorrir. Pra quem já me pede ajuda e pra quem ainda não sabe que quer, mas talvez precise.

CONHEÇA O ARMÁRIO QUE TEM

Me fala rapidinho aí quando foi a última vez que você tirou tudinho (tudinho mesmo) do seu armário e arrumou tudo de novo. Agora me fala se, quando você fez isso, você não deu de cara com uma roupa que nem lembrava que tinha. Pois é.

Aí, das duas uma: ou você ficou muito feliz de ter reencontrado a peça e usou a bichinha no mesmo dia, ou você nem ligou e tacou de volta nas profundezas da gaveta de onde ela veio.

Ambas as alternativas apresentam a mesma conclusão: você tem muita roupa. Tantas que é até capaz de esquecer de algumas.

Se o seu caso foi o primeiro e você AMOU ter reencontrado aquela blusinha, olha que coisa maravilhosa: você teve a sensação de uma roupa nova sem ter gasto 1 realzinho. Você comprou uma roupa nova no seu próprio armário.

Se o seu caso foi o segundo me fala: pra que botar de volta lá dentro um troço que você não usa há anos e nem lembra que tem? Bora fazer a economia circular. Tanto site de compra e venda de coisas por aí, escolhe um e vende essa bendita.


ASSIMILE: VOCÊ NÃO "TEM QUE TER" NADA

Must have significa "tem que ter" e tanto a expressão em inglês quanto a sua tradução viraram jargões mais do que corriqueiros na indústria da moda. O que eles pretendem: que você compre, compre e depois compre um pouquinho mais até que você não tenha mais dinheiro pra ir no bar da esquina comprar um guaraná usando as suas roupas novas que você "tinha que ter".

Não, você não TEM QUE ter NADA. Você PODE ter várias coisas. E esse PODE significa que você (e só você) tem o PODER de escolher o que você quer ou não ter. É uma escolha SÓ SUA (eu sei, caps lock em excesso nesse texto de hoje, mas é por uma boa causa).

Então, na próxima vez que você abrir uma revista, ou um blog, ou um site e se deparar com essa expressão, eu quero que você treine uma coisa. Fale em voz alta olhando para a tal revista/blog/site: "Quem é você pra me dizer o que é que eu tenho que ter? Você me conhece? Sabe como é a minha vida? Sabe quanto eu ganho e o quanto eu ralo pra conseguir as coisas que eu quero?" Pode falar bem alto e botar o dedo na cara. Depois vire a página.


QUANTO TEMPO DURA A SUA ONDA?

Vamos admitir. Estamos falando de um vício. Vivemos em uma sociedade viciada em comprar. Todos os componentes do vício estão aí pra qualquer um ver: a gente compra coisas que não precisa, com dinheiro que não tem, pra ter uma onda (de felicidade/euforia/auto-estima) que dura não dura.

Sim, porque todas nós sabemos que a onda passa. E passa rápido. E logo você quer sentir ela de novo. Aquela sensação boa de comprar uma blusinha nova, quanto tempo ela dura? Uma semana? Acho que nem isso, né? Provavelmente ela acaba assim que você chega em casa depois de usar pela primeira vez.

Mas a verdade é que, no dia a dia, a gente não pensa nisso. A gente não pára e raciocina: "Caramba, gastei um dinheiro naquela blusinha e nem tô mais tão feliz de ter comprado.". Não, a gente não pensa assim porque o vício cega. Quando a onda vai embora só nos resta mesmo buscá-la novamente.

Então, na próxima vez que você comprar um troço novo, desses que vai te deixar "MUITO feliz", faça esse exercício: bote um alarme no seu celular pra exatamente uma semana depois da compra. O nome do alarme vai ser: "Você ainda tá feliz em ter pago R$_______ por mim?" Avalie friamente os resultados.

PENSE GRANDE

Qual o seu sonho? Tenho certeza de que você tem um monte. Se formar na faculdade. Fazer aquela festa de casamento. Comprar uma casa. Viajar o mundo. Ter o seu negócio. Dar uma vida confortável para os seus filhos. Cuidar dos seus pais.

De todas as respostas que você possa ter pensado para essa pergunta, acho difícil alguma delas ter sido: "Meu sonho é ter uma bolsa nova."

Eu sei, parece bobo: lógico que o seu sonho não é ter uma jaqueta de franja. Sonho é uma coisa grande. Um objetivo mais distante, né?

Ok, a bolsa pode ser mais barata do que a casa própria, mas eu vou te contar uma coisa: é essa bolsa, ou essa jaqueta, ou essa blusinha (ou, pior, todas elas juntas) que estão te deixando mais longe do seu sonho.

A cada 300 reais numa bolsa nova, você está literalmente 300 reais mais distante do seu sonho. É matemática, gente. Pura e simples.

Não, eu não tô falando pra você não comprar a bolsa. Quem tem que decidir isso é você. Eu só tô falando pra você pensar nisso, nessa balança. Esse post é sobre consciência e consciência é pensar sobre os seus atos e tomar decisões mais de acordo com os seus objetivos. Então, na próxima vez que você quiser uma bolsa, bote ela na balança. Você realmente precisa dela ou ela só vai te deixar um pouquinho mais longe dos seus sonhos?

















Um look pro tênis preferido do momento

Eu usei esse look na quarta-feira pra ir pra minha aula, mas achei ele perfeito pra postar hoje. Vê se não tem uma carinha de sexta-feira?

A verdade é que, desde que eu customizei os meus Vans, eu praticamente não uso outra coisa nos pés. Abro o armário e fico, literalmente, procurando looks pra combinar com o tênis. Primeiro porque, modéstia à parte, eu acho que ele ficou lindo de viver. Segundo porque ele é conforto materializado num sapato. E, como eu ando muito, pra cima e pra baixo, nessa cidade de ladeiras, conforto virou item de primeira necessidade.

Eis que, na quarta-feira eu repeti o processo: separa o tênis e vamos ver o que combina. Eu tava com pressa e resolvi apostar naquele combo que jamais falha: calça jeans e camiseta. A combinação que exala um clima relax, descompromissado, mas, ao mesmo tempo, cool e moderno.


Pra dar uma bossa, ao invés de ir no jeans básico, eu escolhi esse modelo boyfriend que eu adoro e não usava há um tempão (estou nessas de começar a avaliar o que eu manteria num possível armário-cápsula, mas depois a gente fala mais disso).

A calça caiu super bem, especialmente com a barra dobradinha pra poder dar destaque pros tênis (ó coisa linda que eles tão!).


Por fim, uma regatinha branca bem leve (porque tá fazendo um calorão aqui em SanFran que não dá pra acreditar) e os meus óculos favoritos.


E que cês vão fazer no finde? A gente vai ficar aqui pela cidade e explorar um pouco. Quem quiser acompanhar, vai ter muita coisa lá no Snapchat jojouasz e no Instagram @mourajo

Bom finde procês, pessoal!

Créditos:

Calça: Zara
Regatinha: Fashfinds
Tênis: Vans by Jojo (eu se fosse a Vans me convidava pra fazer uma collection, que cês acham?)
Óculos: Zara


Grávida com estilo: dicas para o primeiro trimestre (não, eu não tô grávida :-)

E aí que você fez xixi no palitinho e deu positivo (!).

Seja de surpresa ou planejada, uma gravidez é sempre acompanhada de um monte de perguntas, das mais simples às mais complexas. O legal é a gente vai descobrindo que, pra boa parte delas, as respostas são quase intuitivas. Já pra outras, planejamento ajuda e muito!

Organizar o nosso armário nessa fase é um grande exemplo de que planejamento faz toda a diferença. E, se por um lado a gente não quer (e muitas vezes nem pode) sair por aí torrando um dinheirão com um guarda roupa novo pra essa fase, por outro queremos nos sentir bem e lindas durante a gravidez. E pode acreditar: dá pra ficar linda reaproveitando muito do que a gente já tem e comprando apenas algumas peças-chave.

E é aí que entra a nossa participação (ah, a gente é a Carol e a Carla do Assinatura de Estilo, muito prazer!) aqui no UASZ: ajudar "novas mamães" a conseguirem fazer o armário render e ajudar a decidir em quais peças vale mesmo investir. Então, mãos à obra!

Vamos começar do começo e contar a verdade: no 1º trimestre de gravidez NADA MUDA. Pois é, a gente fica doida pra barriguinha começar a aparecer pra fazer a grávida por aí e nada. A verdade é que os primeiros três meses de gravidez praticamente não tem muita graça. Você ainda não tem barriga (muitas mulheres chegam até a perder peso de tanto que enjoam) e dá um sono e uma preguiça que você não sabe nem de onde vem.

Pra tentar driblar um pouco essa molezinha que dá no começo da gravidez e ficar mais 5 minutinhos na cama toda manhã, o ideal é ter sempre uma pastinha de inspirações (pode ser no Pinterest, no celular, no computador - pode ter certeza de que vai ajudar ao longo da gravidez toda!) e, se possível, ter alguns looks já prontos, que você sabe que funcionam bem. Assim, você não sai de casa com aquela cara de pijama e também não perde minutos preciosos de sono toda manhã.


E já que você vai ficar com carinha de sono, pra dar uma animada vale investir em looks bem coloridos, ou, se neutros, com pontos de cores bem vivas, principalmente perto do rosto, pra tirar o ar de cansadinha que praticamente toda grávida fica no início da gestação.


E pra quem já está se sentindo mais redondinha, mas ainda não quer tornar a gravidez pública, um bom truque é apostar numa terceira peça aberta ao longo do tronco. Vale blazer, cardigan, colete ou até um lenço bem comprido.


Se você está grávida (ou pensando em ficar) e tem dúvidas sobre o que vestir, comenta aqui! Quer que a gente fale de algum assunto específico da gravidez? Manda sua sugestão pra gente!












São Francisco para Iniciados: Feastly

O São Francisco para Iniciados de hoje é diferente porque eu não vou falar de um lugar. Peraí que eu vou explicar.

Tudo começou com um amigo (desses que sempre sabe de tudo o que tá rolando pela cidade, praticamente uma Time Out ambulante) e uma mensagem: "Cês conhecem o Feastly?"

"Oi? Feastly? É o que? Restaurante?"

"É tipo o AirBnB da comida." ele respondeu como se isso já fosse esclarecer todas as minhas dúvidas.

"Tendi. Irado."

Tinha entendido nada, lógico. E nessas horas a gente apela pra quem? Google.

Digitei lá: "Feastly". E caí aqui:


O Feastly é um site em que chefs profissionais ou amadores criam eventos gastronômicos em casa (pode ser um jantar, um almoço, um brunch, enfim). O chef vai lá no site, cria o evento, escreve qual vai ser o menu e coloca um preço.

Daí, qualquer um (eu, você, o meu vizinho, a mulher dele, o meu professor, qualquer pessoa) pode ver o evento dele, se interessar e comprar um lugar na mesa. Comprado esse "ingresso" pro evento, você recebe o email com o endereço certinho e qualquer recomendação que o chef queira passar (tipo "leve sua própria bebida" ou "informe se você tem algum tipo de alergia alimentar"). Daí é só comparecer na casa do cara no dia marcado pro evento e se esbaldar de comer.

O site é super fácil de navegar (e realmente lembra a experiência online do AirBnB). Você escolhe a cidade em que está (o aplicativo está presente em São Francisco, Nova Iorque e Washington) e vai passeando pelas fotos e descrições apetitosas de cada evento.

A verdade é que quem escolheu o jantar que a gente iria foi o homi. A descrição era especialmente convidativa: "Um jantar digno da realeza indiana.". Clicamos, compramos e três dias depois, entramos num Uber com destino ao endereço especificado no site.

Mas a gente dá uma sorte danada com as coisas. Os eventos geralmente são realizados na casa das pessoas (que deve ser uma experiência incrível também) mas esse, em particular, aconteceu na sede do Feastly em São Francisco. Um ambiente amplo e super gostoso no bairro do Mission que o site aluga para chefs que queiram fazer eventos maiores (no caso desse nosso jantar foram 20 pessoas).

Bem, ao invés de dizer o quanto o lugar era incrível, melhor mostrar, né?




A mesa tava linda, simples, mas arrumadinha, com menus explicando cada prato.



O chef, Raul e sua mulher Priya, foram os anfitriões da noite. Ambos são de origem Indiana, mais especificamente de Bombaim. E o mais legal é, enquanto Raul servia cada um dos pratos, Pryia explicava todo o processo de preparação e a história por trás das receitas.


Nem consigo dizer o quanto foi delicioso provar sabores novos e aprender sobre uma culinária que eu sei tão pouco. Mas o mais legal mesmo foi poder sentar numa mesa com um monte de gente diferente, conversar, fazer amigos - coisa difícil quando o jantar é num restaurante.


Por isso tudo, se você estiver passando uns dias por aqui (ou por Nova Iorque ou Washington), eu recomendo muito acessar o Feastly e escolher um evento com fotos bem apetitosas. Eu já tô pesquisando qual que eu vou agora!


Achadões da Semana: especial lenços

Semana passada eu pedi ideias pra novos Achadões e recebi várias sugestões ótimas. Uma delas pedia um post com dicas de lenços lindos e charmosos e versáteis a preços convidativos. De cara, já achei a ideia interessante.

Poucos dias depois, entro no M de Mulher e lá está Cami Coutinho (do Garotas Estúpidas, que eu amo) compartilhando 17 ideias lindas e criativas pra usar lenços no dia a dia. No cabelo prendendo o coque, no pulso quase como uma pulseira, dando um charme na bolsa ou amarrado como cinto. Cada ideia mais legal que a outra. Fiquei inclusive bem inspirada pra testar vários novos jeitos, então, aguardem que vou começar a ousar.

Bem, lógico que tomei a coincidência como um sinal e decidi que hoje seria dia de lenços aqui no Achadões! Então chega de enrolation e vamos a eles.

Lenço lindo e barato, combinação melhor impossível. Esse aqui da Lojas Americanas, de quebra, ainda tem um formato ótimo pra render bastante variação de look. Perfeito pra meia estação que está por vir, ele tem cara de levinho, mas dá uma protegida básica do ventinho fresco.


Confesso: estou apaixonada por essa estampa animal print pop. Lindona e diferente, é o tipo de lenço que dá um up em qualquer look (basta olhar a foto). Por 79 dilmas no OQVestir.


Sem querer puxar saco, acho o Asos um dos sites mais legais pra encontrar acessórios, inclusive lenços. Muita variedade pra todos os gostos e bolsos. Eu gostei muito muito muito desse. Achei chique, diferente e com bastante cara de outono (que, pra mim, tá pra chegar :-).


Ok, pra vocês que estão aguardando a primavera, achei esse aqui lindo de viver. Ele tem cara de praia com ventinho, daqueles lenços que você joga por cima do biquini com um shortinho jeans embaixo e tá pronta pra curtir o fim de tarde.  Por 29 obamas no Asos.


Lenço PB não tem erro. Pode botar em cima de qualquer look que fica lindo. Eu adorei esse da Accessorize com estampa de margaridas porque foge da sobriedade do PB.


O que eu amo em lenços é o fato deles serem tão versáteis (como a Cami provou na matéria que mencionei lá em cima). Esse grandão é especialmente legal porque vai do turbante ao sarong com muita facilidade. Esse é da OSON e, apesar de ser mais carinho, a qualidade e versatilidade compensam.


Por fim, adorei esse lenço bem leve da Flaminga com estampa de zigzag (a la Missoni). Baratinha e perfeita pra fugir do óbvio na primavera que vem por aí.


Agora é só escolher o seu lenço (ou catar um desses que você já deve ter em casa) e colocar a criatividade em prática!

Um jeans e três looks de trabalho

Semana passada eu me toquei que tenho feito bem menos looks do dia e, apesar de curtir bastante escrever sobre novos conteúdos, não dá pra negar as nossas origens, né?

Esse blog nasceu do registro diário dessas escolhas do que vestir e, por mais que muita gente aí da blogosfera fale mal, eu acho que essa coisa de look do dia tem o seu propósito. Nada melhor do que ver o que o pessoal tá vestindo pra fazer a gente se inspirar, aprender e entender o que combina com a gente ou não.

Por essas e outras, hoje acordei empolgada pra botar os nossos looks em dia.

A verdade é que tenho usado menos looks porque tô trabalhando de casa. Mas há algumas semanas eu comecei o meu curso (de Marketing Digital - falei um pouco dele no Snap). Entonces, três vezes por semana, eu sou obrigada a botar uma roupinha mais "de trabalho".

O curso é voltado pra um pessoal que já tá trabalhando e quer se aperfeiçoar. Muita gente, inclusive, vai direto do escritório pra aula. Como a escola é uma ótima fonte de contatos profissionais, eu também acabo me esforçando pra estar arrumadinha.

Dito isso, separei os três looks que usei na semana passada pra mostrar aqui hoje e, quem sabe, inspirar alguns looks na semana que vem pela frente.

O mais legal é que só depois de fotografar e editar as fotos é que me toquei: três looks e uma calça só. Parece de caso pensado, mas foi coincidência mesmo. Prova de que calça jeans pode ser uma grande aliada dos looks de trabalho. E assim nasce o tema do post de hoje. Vamos a eles então?

 LOOK 1: SEGUNDA-FEIRA

Parece que início é quando tudo acontece: reuniões são marcadas, assuntos precisam ser resolvidos, apresentações são feitas, né não? E não é por isso que o jeans tem que ficar de fora.

O negócio é usar o resto do look pra elevar o jeans a um patamar mais arrumadinho. Claro que a escolha do jeans também é crucial: eu prefiro os de lavagens mais escuras e sem firulas (por "firulas" leia-se: rasgos, apliques, bordados, etc). Mas, escolhido o jeans, o passo seguinte foi a escolha das cores: PB porque não tem como dar errado.


Pra parte de cima, escolhi uma camisetinha listrada e uma capa preta com ombros bem marcados. Tô bem apaixonada por essa capa simplesmente porque ela é dessas peças que a gente bota em cima de praticamente qualquer coisa e fica chique automaticamente. Quer ver? Pensa nesse look sem ela: calça jeans e camiseta. Com ela: escândalo de poder, arrasamento absoluto em reuniões.


É segunda e, vamo confessar, o cérebro ainda não ligou completamente depois do fim de semana. Então, pra que complicar? Se o look tá PB, bora de acessório PB também.

Essa bolsa é dos tesourinhos que eu arrematei na Adô antes de me mudar pra cá e ó que coisa linda: etiqueta personalizada com as minhas iniciais (me achei chique).


Pra finalizar, um dos pares que comprei na última liquida da Zara aqui em SanFran. Mules branquinhas com fivela e salto prateado quadrado (que não dá pra ver na foto). Super confortáveis, com salto médio bem gostoso de usar.


Créditos

Calça: Dzarm
Camiseta: H&M
Capa: FashFinds
Sapatos: Zara
Bolsa: Adô Atelier

LOOK 2: QUARTA-FEIRA

Semana já na metade, mas cheia de coisas pra fazer (e adiantar pra não ficar tudo pro fim da semana). Conforto no meio da semana é essencial pra manter a energia em cima e garantir o pique pra fazer tudo que tem que fazer.

Pra isso, eu montei um look com uma pegada meio geek chique, com camisa social embaixo do pulover. Como o look tem uma carinha meio masculina, o segredo foi escolher bem as cores e acessórios.


O pulôver prateado dá um charme mais feminino pra coisa toda. Os óculos estampados e a maxi carteira geométrica também agregam um ar mais pop e divertido pro conjunto não ficar tão sério.


Aí a gente finaliza com um sapatinho prateado e tá pronta!


Créditos

Calça: Dzarm
Camisa social: C&A
Pulôver: COS
Sapatos: Zara
Carteira: Adô Atelier

LOOK 3: SEXTA-FEIRA

Ah, sexta-feira. Esse dia de alegria, de expectativa, de sonhar acordada com o momento em que o relógio bate 6 da tarde.

Sejamos verdadeiras: sexta-feira é apenas uma formalidade no calendário de trabalho. A gente tá lá de corpo presente, mas a cabeça já tá na praia/piscina/churrasco/shopping/parque/sofá-com-Netflix.

É o dia em que dá pra soltar um pouco mais a franga no look escritório. Dia de jogar mais cor, mais alegria, mais ousadia nesse look, né não? Sim, com parcimônia porque segunda-feira tudo volta ao normal.

Então catemos a calça jeans, combinemos com uma camiseta folgadinha mais básica e joquemos um casaqueto estampado por cima.


Estampa gráfica no trabalho não tem muito erro. É aquele equilíbrio perfeito entre seriedade e ousadia que nunca dá errado.


E, nos pés, uma sapatilha básica resolve. Afinal de contas, os teus pés te carregaram a semana toda, pra eles sexta já é sábado.

Créditos

Calça: Dzarm
Camiseta: Topshop
Casaquinho: Zara
Bolsa: Maria Bonita Extra

Espero que vocês tenham gostado do nosso post de retorno dos looks do dia! Boa semana pra vocês, gente! Que ela seja deliciosa e que a sexta não demore a chegar!