Ads

E a obsessão continua...

Comenta aqui!
Eu já falei que sou disco arranhado, né?

Desde o look da semana passada que eu tô matutando novos jeitos de usar o vestido artsy. Primeiro porque, cada vez que olho pra ele, me apaixono mais e tenho mais vontade de usar. Segundo porque cada vez que invento um jeito novo de usá-lo, fico me auto-desafiando a achar um outro jeito ainda mais legal. Quem vê "How I met your mother" vai entender o clima:


(ok, tô numa onda de referências de filmes e séries essa semana).

Tudo isso pra dizer que: "Challenge accepted!" (ou, traduzindo: "Desafio aceito!"). Hoje, cá estou eu com mais DOIS looks com o meu vestido obsessão do momento. Tem pra todos os gostos, tem pra todas as ousadias, tem pra várias ocasiões.

Pra começar, eu tava encasquetada de arrumar um jeito de usar o vestido como vestido mesmo, só que de um jeito diferente. Eu já tinha usado ele com meia calça na época que tava friozinho (quem lembra?), mas confesso não ter ficado tããão feliz com aquele look (achei que o contraste do vestido com a meia ficou estranho).  Então, dessa vez queria montar um look mais harmônico, mais leve, mas, ao mesmo tempo, inusitado, que fugisse do óbvio vestido/sapatinho + bolsa neutros.

Como o tempo tá meio abafado (apesar de permanentemente cinza), jogar um casaco por cima não era um alternativa. Então, a solução foi sair da caixinha com os acessórios. Mas, veja. Repare. Olhe bem o mundo de possibilidades que essa frase traz. Imagine quantos caminhos podemos seguir só com essa frase: vamos viajar nos acessórios? Então, o primeiro look de hoje nasce dessa frase e se materializa com os acessórios que tavam lá no meu armário. Os primeiros que eu ví e achei lindos e juntei. Então vamos a eles.


Como dava pra fazer de um tudo com acessórios, eu resolvi usar um critério: escolhi por cores. Óbvio? Talvez. Mas quando olho pra esse dress, só consigo pensar em cores. Então comecei pelos sapatos. E vê se você não concorda que eles foram feitos um para o outro:


Juro que, quando pensei nessa composição do vestido com esse tênis me senti tão esperta! Eu tenho esse tênis há uns 3 anos. Comprei por 12 dólares num outlet lá em Nova Orleans e nunca tinha conseguido dar bom uso pra ele. E aí começou essa onda de usar tênis com looks menos esportivos e eu pensei: hummm, talvez seja uma boa chance de usar os tênis que eu já tenho de um jeito diferente. Pronto, tá aí.

BTW, adoro quando a moda aparece com umas tendências que ajudam a gente a dar novos usos pro que a gente já tem.

Bem, mas eu falei PIRAR nos acessórios. Então, o tênis e o vestido ganharam mais uma companhia: maxi brinco coral (ah, e batom no mesmo tom).


Eu sei, ficou exagerado. Mas eu amei num tanto que cês não fazem ideia.

Porééééém, eu sou uma blogueira muito democrática. Então, se você achou que ficou um tiquinho poluído procê, olha o segundo look aqui.

Peguei a mesma ideia do look anterior (aquele da calça vermelha que fez sucesso lá no Face, aliás, cê segue a fanpage? Essa aqui ó) e apliquei de novo. Só que dessa vez a calça era de alfaiataria azul marinho.


Ficou um look mais formal, perfeito pra ir pro trabalho num dia mais calorentinho.

O legal é que essa calça é PERFEITA pra fazer essa brincadeira de botar o vestido pra dentro. Ela é escura, tem um tecido pesadinho na medida certa e é larguinha.

Daí, bastou um cintinho branco e o power escarpin vermelho de coração e pronto. Charmoso, colorido e bem mais discreto.


Bem, acho que agora, finalmente, tirei a obsessão do meu sistema. Pelo menos até semana que vem. :-)

Créditos:

Look 1
Vestido: Zara
Tênis: Reebok
Brinco: Q-Guai
Óculos: Zara

Look 2
Vestido usado como blusa: Zara
Calça: American Apparel
Cinto: Marc by Marc Jacobs
Sapato: Maria Bonita Extra
Carteira: Zara
Óculos: Optica Nahuel - Buenos Aires

Indiana Jojo

Comenta aqui!
Eu nunca mais tinha usado chapéu e eu tava com saudade. E nada como um domingo pra fazer esse comeback.

Como o tempo aqui em São Paulo variando entre sol com nuvens pretas ou dia claro com vento estranho e frio, resolvi apostar no meu chapéu de feltro que é mais apropriado para tempos menos estáveis e ensolarados.

Então, eu vos presente hoje, o look que nasceu de um chapéu.

Bem, na verdade, o chapéu não foi a única decisão aleatória desse look. Eu tava há tempos querendo usar esse macacão. Tinha comprado ele há um tempão atrás lá na Forever 21 e, como tava no meio do inverno, não tinha achado uma oportunidade boa de usá-lo. Daí hoje tava esse tempinho mais ou menos, mas, ainda assim, eu queria estrear o bichinho. Como o tempo tava mais feio do que frio e eu não sinto lá muito frio nas pernas mesmo, resolvi que tava na hora.

Entonces, temos chapéu e macacão decididos. Faltava um casaco e, como os outros dois elementos do look foram escolhidos aleatoriamente, legal seria se o casaco conseguisse ser o elo de união pra deixar o look coeso. E foi com isso em mente que eu abri o armário. E achei o casaco perfeito.


O chapéu é marronzinho e invernal. O macaquinho é estampado com estilo étnico. O casaco é marrom, invernal AND étnico. E temos uma combinação.


O casaco utilitário oversized acabou dando um estilo bem casual pro look. Então, aproveitei pra fechar a história com acessórios que mantivessem o clima: a bolsa utilitária marrom e os óculos de madeira.


Confortável e charmoso. A cara do domingo. E talvez um pouquinho parecido com o Indiana Jones. :-)

Créditos:

Macaquinho: Forever 21
Casaco: Forever 21
Chapéu: brechó na Augusta
Bota: Urban Outfitters
óculos: Zerezes + Farm

Post patrocinado: Transformation-tion by Antix

Comenta aqui!
Eu sou dessas criaturas que descobre uma música nova e fica ouvindo a bendita 186 vezes até decorar todos os versos. Aliás, isso me lembra:


Qualquer semelhança com a realidade é uma mera coincidência. (amor, obrigada por me aguentar nas nossas viagens de carro)

Voltando ao assunto. Sou dessas que fica dias comendo a mesma comida só porque descobriu uma receita nova e delícia. Ou que pinta as unhas da mesma cor por semanas só porque lembrou de um esmalte lindo que tava lá guardado. Ou seja, quando eu gosto, eu gosto mesmo até ter gostado tanto que enjoa.

Então, na quarta-feira, quando a gente fez a transformação do vestido artsy em blusinha artsy, eu logo me empolguei em transformar peças loucamente novamente. E daí que eu resolvi fazer outro post transformativo e retomar o nosso projeto Transformação by Antix.

Bom, hoje, elevamos o nível de dificuldade da transformação relembrando o truque de transformar um vestido gatinho em uma saia fofa.

Comecemos pelo vestido. Escolhi um vestido soltinho e fininho da própria Antix. Óbvio que ele funciona super bem por conta própria só com um cintinho e uma botinha. Tipo do look que dá pra ir na feira e no barzinho.


A estampa dele é bem fofa, romântica, até meio barroca. Entonces, não precisa de muita coisa pra ficar gatinha. Botinha, bolsinha e pronta pra vida.


Mas isso tudo era só pra apresentar o vestido procês. Agora a gente começa a brincadeira. Na verdade, a história de hoje é muito fácil. Mantive exatamente os mesmos elementos desse look aí de cima: vestido, bota, bolsa com franjas. E adicionei uma camisa jeans. Tcharam!


Vê se não faz uma diferença mega? Uma camisa só e a história vira outra.

Eu prometo fazer um vídeo sobre as transformações. Especialmente os acabamentos (de botar o vestido pra dentro sem ficar embolado e de fazer a passagem da camisa para a saia). De verdade, é tudo uma malandragem, mas, como ainda não temos o vídeo, vou tentar explicar:

Importante:
- o cinto precisa ser grossinho pra esconder a barra da camisa
- os cintos de elástico funcionam melhor porque prendem mais
- importante se atentar pra camisa por cima não ficar transparente (melhor que ela não seja nem branquinha, nem muito fina)
- a camisa precisa ser mais fechadinha pra cobrir bem a parte de cima do vestido (no exemplo de hoje eu tratei de abotoar a camisa até a gola pra ficar tudo cobertinho)

Passo 1: colocar a camisa por cima do vestio (dã)

Passo 2: dobrar a camisa para dentro dela mesma na altura da cintura (onde o cinto vai entrar)

Passo 3: posicionar o cinto em cima da dobra da camisa

Passo 4: esconder embaixo do cinto os pedacinhos da camisa que sobrarem (a ideia é ficar parecendo que a camisa está pra dentro da "saia")

Prontinho!


Ok, ainda vou fazer o vídeo. :-)

Créditos:

Look 1

Vestido: Antix
Bolsa: Arezzo
Bota: Schutz
Cinto: Zara

Look 2

Vestido: Antix
Bolsa: Arezzo
Bota: Schutz
Cinto: Shoestock
Camisa: Riachuelo


Transformers

Comenta aqui!
Já tem quase um mês que o nosso projeto "6 meses, 1 vestido" começou (o que significa que falta pouco mais do que 5 meses pro casório. Yeeeeeey!). Nesse tempo, fizemos um montão de looks, usamos um monte de roupas que tavam lá engavetadas, mas eu tava sentindo falta de uma coisa: a boa e velha brincadeira de transformar peças. Vestido em saia, saia em blusa, o céu é o limite!

Hoje, resolvi colocar os meus skills de transformadora de roupas em prática novamente. A peça escolhida para protagonizar a transformação de hoje é um vestido que eu acho bem fofo. Com certeza vocês vão lembrar dele desse look aqui.

Ele é dessas peças tão lindas e marcantes que gritam nas araras da loja e chamam a nossa atenção e arrebatam o nosso coração logo de cara. Você veste, no provador da loja, e pensa: "que lindo, que fofo, que caimento! Não precisa de mais nada! Quero sair assim, já com ele no corpo." Assim como a calça de ontem, ele é aquele vestido que resolve perfeitamente no dia de preguiça que você não quer ter o trabalho de montar um look. É a peça salvadora.

Porém, por ser tão marcante e por ser um vestido, ele acaba sendo usado sempre do mesmo jeito. E aí você usa uma vez e acha lindo, usa duas e acha fofo, usa cinco e já não aguenta mais olhar pra o bichinho. E é por isso que estamos aqui hoje: para salvar o seu vestido marcante do triste destino de ser esquecido no armário depois de meia dúzia de usos!!!!

Bem, já que estamos voltando agora pro mundo das transformações, vamos começar pelo mais fácil: transformar o vestido numa blusinha charmosa. Basta escolher uma calça, jogar por cima e fazer o acabamento pro volume embaixo da calça não ficar muito marcado. Coisas importantes a serem consideradas:

- o fato do vestido ser curto facilita muito: significa menos pano pra esconder

- o fato da calça ser mais grossinha e de um tem escuro também ajuda muito. Assim, é mais difícil dela deixar transparecer a estampa que está por baixo.

- se a calça for mais folgadinha, acaba sendo mais fácil de disfarçar o volume.

Pro look de hoje eu escolhi uma calça skinny (nível de dificuldade alto!), mas como o vestido era mais curto e com um tecido mais fino, deu super certo.


Como o vestido tem uma brincadeira super boa com cores, resolvi usar isso pro resto do look todo: a calça era vermelha e o escarpin era azul.


Pra fechar, como a coisa já tava colorida demais, apostei na bolsa marrom redonda amada. Charme sem chamar muita atenção.

Então tá, gente. Só a primeira das muitas transformações que vão vir por aí nos próximos meses.

Créditos:

Vestido como blusa: Zara
Calça: Zara
Sapato: Arezzo
Bolsa: Marc by Marc Jacobs
Óculos: Zara


A calça que me salvou da preguiça

Comenta aqui!
Pensem numa pessoa cansada.

Como vocês puderam perceber, ontem dormi meio tarde (o post anterior foi postado lá pelas duas da matina). Aconteceu que uma insônia louca me tomou de assalto e o máximo que consegui fazer pra lidar com ela foi aproveitar o tempo extra na madrugada para postar.

O resultado dessa malandragem involuntária noturna não podia ter sido outro. Penei um bocado pra acordar hoje de manhã e passei 80% do dia com os olhos ardendo de cansaço. Mas o mais difícil, num caso como o de hoje, sempre é escolher o que vestir.

Você tá meio acordada, meio dormindo. Tá se sentindo uó. Tá sem ideia. E só queria estar na cama. Nesses dias, todo mundo precisa de uma peça salvadora no armário. Sem querer me gabar (até porque acordar zureta depois de insônia e ter que apelar pra uma peça salvadora não tem nada de charmoso), eu tenho algumas. Hoje, vamos falar de uma delas, a salvadora dessa terça.

Não é porque você acordou zureta que, necessariamente, o look do dia tem que ser sem graça. Ok, você está meio debilitada e sem ideias, portanto, o segredo é poder contar com uma peça que monte um look por conta própria. Não estou falando do armário da Praticinha de Beverly Hills (sonho de consumo na adolescência, quem foi teen nos anos 90 há de lembrar). Estou falando de uma peça forte, que chame atenção por ela mesma e resolva o look quase que por completo.

A calça de hoje é exatamente isso. Ela é confortável até dizer chega e, coincidência ou não, eu tava com sono e ela tem jeitão de pijama. Mas um pijama muito do chique e estiloso. Mas o que faz dessa calça, a minha peça salvadora do dia é a estampa. É uma coisa artsy, cheia de personalidade que rapidinho atrai o olhar. Por outro lado, a predominância do preto facilita muito a combinação com outras peças. Entonces, foi só escolher uma camisa preta e voilá. Temos um look.


Vou falar que até me orgulhei de ter lembrado dessa camisa num dia zureta como hoje. O mais fácil teria sido catar uma camisetinha preta e resolver o problema. Mas achei que essa deixou o look com uma outra carinha. Esse formato mais lady dela contrastou super bem com a modernidade da calça.

Foi ela também que acabou me dando a ideia de dar um pouquinho de volume pro cabelo, coisa que eu não fazia há tempos, mas que foi outra solução boa pra um dia em que se acorda atrasada e não dá tempo de lavar e secar o cabelo pela manhã.


Terminei o look com a bolsa trançada e com franjas também em azul e preto, que era mesmo pra não complicar.

Êeeeee, post antes da meia noite! Agora dormir que eu tô bocejando e amanhã a noiva tem malhação logo cedo!

Créditos:

Calça: Topshop
Camisa: C&A
Bolsa: Arezzo
Sapato: Arezzo
Óculos: Zero UV
Batom: Relentlessly Red da MAC

Senta que lá vem história

Comenta aqui!
Continuo na saga do desenterramento de peças esquecidas no armário. Hoje, desenterrei uma bichinha que estava guardada há MUITO tempo. Tempo demais.

Vira e mexe eu conto aqui um pouco da história por trás das roupas. Acho bacana isso da gente valorizar o que é antigo no armário. As roupas que carregam pedaços da nossa história com elas. Aquelas que, quando a gente pega no armário, um balãozinho aparece em cima da nossa cabeça e a gente lembra de um monte de coisas.

Pra começar, a calça de hoje me lembra a Gabi. E me fazer lembrar da Gabi sempre será uma boa coisa. A Gabi adora essa calça. E eu já prometi pra ela que, quando eu enjoar dessa, ela não vai pro Enjoei (desculpa Ana). Ela vai direto pro armário da Gabes.

Mas, antes mesmo da Gabi declarar o seu amor, essa pantalona já tinha conquistado um lugarzinho na minha vida simplesmente porque ela foi a minha primeira roupa de adulto.

O mais engraçado é que, quando eu comprei a bichinha, eu ainda não era nada adulta (continuo relutando contra essa verdade durante boa parte do meu dia, mas, naquela época eu definitivamente não era).

Eu tinha começado a trabalhar no meu segundo emprego. Tinha 22 aninhos e queria mostrar que eu podia me comportar como gente grande no ambiente corporativo. A saída? Comprar a calça social mais social de que se tinha notícia.

Ela era larga quando todo mundo usava justa. Ela era alta (e bota alta nisso) quando todo mundo usava baixa. Mas eu me sentia uma power woman quando fechava aquele ziper.

Eu fui crescendo, amadurecendo (aham) e a calça foi ficando de lado. E engraçado que, quando peguei ela hoje, achei que ela me vestiu melhor do que nunca. Talvez, finalmente, ela me coubesse de verdade. Não no corpo (já fiquei feliz demais dela ter me servido), mas na vida.

Hoje eu sei que ela não foi feita só pra ser usada com camisa social, até  porque essa pessoa que usa calça e camisa nem sou eu. Sei também que eu sou tão power woman (ou não) com ou sem ela. A gente falou disso essa semana, quando eu disse que não existe roupa sem personalidade. Hoje vou dizer simplesmente o óbvio (mas o louco do óbvio é que a gente esquece dele): o melhor de um look deve ser sempre quem está dentro dele.

Falei muito? Essas histórias sempre rendem.

O resumo é que catei a tal pantalona e fiz uma combinação que jamais teria pensado lá nos primórdios de sua história. Pra começar, acho que nunca usei essa calça com uma estampa. Com certeza nunca com duas! Mas eu achei a combinação das duas uma coisa tão linda que não consegui resistir.


A outra ousadia foi ter apostado num casaco mais utilitário. Um que eu também jamais usaria com essa calça lá nos tempos idos. Mas, hoje, do alto dos meus 30, esse é o tipo de brincadeira que eu adoro fazer.


Pra fechar, acabei incluindo mais um item. E ele tem tudo a ver com esse post simplesmente porque eu lembro exatamente de onde estava quando comprei. Podem esperar que, daqui a uns 10 anos, vem um post sobre essa carteira listrada.

Créditos de hoje:

Pantalona: Maria Bonita Extra
Blusa: Topshop
Casaco: Forever 21
Carteira: museu em Tóquio
Sapato: Arezzo

O último look novo

Comenta aqui!
Tinha tempos que eu não postava um look noturno por aqui. Talvez porque eu realmente não ando fazendo muita coisa a noite a não ser pedir comida em casa e comer sentada no sofá trabalhando, vendo as coisas do casamento, ou vendo How I met your mother enquanto dou umas cochiladinhas. É minha gente. Vida de blogueira, publicitária, noiva e TV addicted não é fácil.

Mas, ontem, cabou que a gente teve, não um, mas dois eventos noturnos. Uhul! Juventude é isso!

Por conta dos nossos DOIS eventos, resolvi investir num look bacanudo pra marcar as DUAS ocasiões. Tomei banho, abri o armário e encontrei a última peça que comprei antes do projeto "Seis meses, um vestido". Sim! A satisfação de usar uma roupa nova pela primeira vez me foi concedida! Catei a tal peça, vesti e me deleitei com a satisfação de romper uma etiqueta nova mais uma vez. Uma última vez nos próximos 5 meses sombrios que estão por vir.

A peça, em questão, era desses achados que toda mulher agradece ao abrir o armário e descobrir que tem. Simples e fácil de usar, porém, com caimento impecável. Tem tempo que não falo isso (tomo muito cuidado com certas expressões porque não quero esvaziá-las de seu significado), mas esse macacão é simplesmente... a cara da riqueza.


Escolher o macacão já resolveu 80% da vida na noite de ontem. Esse recorte nas costas é o tipo de malandragem estilística que faz qualquer peça ganhar 80 pontos no jogo da vida.


Daí, faltava só um power acessório pra completar o chiquê. Que tal um brinco gigante e dourado?


Então tá. Era isso.

Foi sucesso. Pelo menos no primeiro evento. Não chegamos a aparecer no segundo. Noiva, blogueira, publicitária, TV addicted precisava dormir.

Té amanhã!

Créditos:

Macacão: Zara
Sapato: Arezzo
Brincos: Accessorize